Riscos, consumo e marcadores de diferença. contato: corposetecnomaquinas@gmail.com

domingo, 10 de outubro de 2010

CÉREBRO ELETRÔNICO

Tecnologia turbinará poderes da mente:

Neurociência permitirá controlar aparelhos com o pensamento, e memória poderá ser expandida.



JORDANA VIOTTO
COLABORAÇÃO PARA A FOLHA 




A tecnologia fica cada vez mais amigável ao corpo humano -que o digam as telas sensíveis ao toque ou os videogames como o Wii. A intimidade é tanta que a eletrônica ultrapassa a barreira da pele e vai direto ao cérebro.


A neurociência já permite controlarmos aparelhos com ordens mentais. "Essas pesquisas existem há dez anos", diz Sidarta Ribeiro, professor da pós-graduação em neurociência da Universidade Federal do Rio Grande do Norte e chefe de laboratório do IINN-ELS (Instituto Internacional de Neurociências de Natal Edmond e Lily Safra).


Para os cientistas, o futuro está em acessar a internet com o pensamento.


"Ou realizar neurocirurgias com nanoequipamentos", acrescenta Miguel Nicolelis, codiretor do centro de neuroengenharia da Universidade Duke (EUA) e diretor científico do IINN-ELS.


Segundo a pesquisa da Fast Future, médicos poderão ser cirurgiões de aumento de memória em 2030.


Eles vão ampliar a capacidade de memória de cérebros sobrecarregados de informações antes que sofram um apagão sensorial.


Esses novos profissionais poderão até ser contratados por empresas que queiram aprimorar as capacidades de seus melhores funcionários. E vão ter que trocar ideias com especialistas em filtrar dados e em barrar vírus.


Essa cirurgia deve virar realidade em um futuro próximo, opina Benito Damasceno, professor titular de neurologia e neuropsicologia da Unicamp (Universidade Estadual de Campinas).


"Chips poderão substituir estruturas envolvidas em sensação, percepção e certas operações da memória", diz. O problema, pondera, é que chips podem ser alterados ou controlados por outros.


Outra área que está em ascensão é a de doenças neurológicas, como degeneração neuromuscular e transtornos de comportamento.


"Estima-se que, em 2030, elas corresponderão à maioria dos casos de problemas de saúde no mundo", comenta Ésper Cavalheiro, professor do laboratório de neurologia experimental da Unifesp (Universidade Federal de São Paulo).


Multidisciplinar, a neurociência abriga profissionais graduados em qualquer área, desde que tenham bons conhecimentos de matemática, física, química e biologia.


JÁ É
R$ 125 milhões foram arrecadados desde 2005 pelo Instituto Internacional de Neurociências de Natal Edmond e Lily Safra




"CORPUTADOR"


Em 2015, interfaces inteligentes vão aposentar o teclado e o mouse, segundo a consultoria Fast Future. A Microsoft aperfeiçoa o projeto Skinput, que transforma mãos e braços em telas sensíveis ao toque, mas só deve chegar ao mercado em um período de dois a sete anos

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Ocorreu um erro neste gadget